A História da Foto

Thiago Sarnaglia


O Thiago Sarnaglia é o típico fotografo inquieto que sempre procura novas locações, novas luzes, novos ângulos. Sempre procurando elementos e situações que diferenciem suas fotos e enfatize seu estilo de fotografia. Que fique claro sua marca registrada: Fazer algo surpreendente.
Tivemos o prazer de receber este texto sensacional, onde ele nos conta como e porque idealizou a foto e como funciona sua mente para chegar ao resultado que deseja.
Agora com vocês Thaigo Sarnaglia …

“Nada nessa vida é por acaso!“. Sempre digo essa frase.

Inquietude, percepção, desejo, perseverança, sensibilidade. Tudo isso passa por minha cabeça durante o processo de criação de uma imagem, muitas vezes rapidamente, outras vezes nem tanto.

A história desta fotografia começa há cerca de 6 meses, quando eu e minha produtora conversávamos sobre como fazer uma foto diferenciada envolvendo elementos nada convencionais na fotografia gestante. Sim, fugir do “mais do mesmo” na fotografia sempre é nossa constante. No caminho para o estúdio passamos sempre em frente ao aeroclube, e o assunto de como situarmos uma gestante com aeronaves era recorrente, mas como fazê-lo de maneira coesa?
Mas voltando um pouco no tempo, para me conhecerem melhor: sou a terceira geração de fotógrafo na família, costumo dizer que fotografo desde a barriga da minha mãe…

Esse projeto autoral começou há 02 anos, grandes nomes como Brassaï e Annie Leibovitz são referências constantes, mas a influência da bagagem fotográfica de gerações, conversas com meu avô, meu pai, sobre a leitura da luz antes mesmo que a grafia possa acontecer foram e ainda são essenciais na construção do meu olhar.

No mês de Junho de 2016, durante o ensaio fotográfico, comentamos de nossa vontade de realizar fotos diferenciadas, na mesma hora eles disseram que eram militares e que o marido era piloto de Helicóptero.

Pronto!

A partir daí muitos contatos, fotos, estudo do local, horário de sol poente, ângulos, técnicas e muita, mas muita coisa passando pela minha cabeça.

Vou explicar em alguns passos o que se passa na minha cabeça na “ concepção” da imagem e como chego ao resultado final que desejo.

PASSO 01 – Iluminação

Qual será a melhor? Natural, dramática, usar luz de corte, strobist? Deixar a fotografia propositalmente intrigante ou partir para casualidade e sincronia entre os modelos?

PASSO 02- Locação

Onde fazer a imagem? Deve ser locação que fuja do clichê, onde vários cliques já tenham sido feitos. Decidido o local, qual angulação, testes, testes e testes. Salvo situações que existam outra saída, tente sempre visitar a locação antes do ensaio com seu cliente.

PASSO 03 – Produção

Tenho a coleção chamada “ Majestic” onde ofereço todo o contexto para a cliente. Incluindo a produção, vestuário, maquiagem, acessórios. Isso tudo para ter controle da identidade visual. E a produção é construída a partir da locação e iluminação definidos anteriormente.

PASSO 04 – Na locação escolhida

Com toda a iluminação montada e a modela produzida, entra a parte essencial: a direção! Deixar sua modelo situada na imagem que você formou na sua cabeça. Posicionamento, ângulo e principalmente a sinergia entre você e a modelo.

PASSO 05 – Ter bom assistente

É muito importante que o assistente pense como você. Acertar o posicionamento da luz, principalmente quando dor iluminação dedicada.

PASSO 06 – Terminado o trabalho de campo

Vamos para o “pós-shooting “, mesmo começando minha carreira no analógico, hoje em dia, por mais que você prepare uma fotografia, ela sempre pode ficar melhor, mesmo exigindo pouco na pós-produção. Valorização da luz, pele do modelo, ruídos retirados ou acrescentados. Vale lembrar que a fusão digital é realidade na fotografia atual.

Na história da foto que conto hoje (dos helicópteros), fiz uma foto com o auxiliar segurando os flashes e outra foto sem os flashes para facilitar o tratamento posterior.

Estude, ache seu estilo na fotografia e embase sua carreira nele. Então será questão de tempo e trabalho para colher os frutos.

O processo para a criação das imagens não tem que seguir regras rígidas. Não existe receita de bolo na fotografia, é sempre muito importante mudar, ousar, diferenciar.

Na ciência a maioria das descobertas foram “por acaso”, se é que o “acaso” existe.


Texto e imagens: Thiago Sarnaglia
https://www.facebook.com/tsarnaglia

Você curtiu essa matéria? Quer ser um colaborador também? Escreva para outstandingawards@gmail.com com o título “Blog Outstanding” para saber como e quando enviar seu artigo.

5 comentários em “A História da Foto”

  1. Very timely post. We are having a school inspection next week and it will be intiresteng to see if the inspectors come and see me and what they ask. I have been through this several times before – on one occasion the inspector told me that I had educated him thoroughly on the work of a school library and librarian!

  2. / Graças a Deus, o Força Jovem a cada dia vem crescendo mais, e transformando a vida dos jovens que assistem em Natal/RN.E no Cenáculo Maior a Tribo que vem arrebentando com tudo é a Tribo de #Aser!ashashahsh

  3. Hahaha.Vero, pure quello. :)o meglio. NON so colorare a tavoletta, ma faccio degli acquerelli che sono uno spettacolo.Giuro.Tra l’altro, ho capito meglio cos’è che mi stride nel discroso di Laura, perché i colori mi sembrano estranei a lresto.perché percepisco troppo lo stacco tra la matericità della pennellata e l’artificiosità del colore dato con PS.Macchervordì ripsondo SOLO a questo commento?Che ‘sta discussionela visualizziamo solo noi due?No, perché se è così allora te dico pure che…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *