Quando o ensaio de gestante vira trabalho de parto

Essa semana a Lu escreveu sobre algo muito bonito, que é como nos vemos como fotógrafos. Podemos fazer isto de muitas maneiras, mas nesse caso inusitado, não foi nada fácil. Ter muitos anos de experiência, ser mãe e amar o que faz foram essenciais.
Boa leitura, deixa seu amável comentário e mande essa matéria para aquele seu amigo fotógrafo que adora ler como você!

Quando o ensaio de gestante vira trabalho de parto

 

Na nossa profissão precisamos estar preparado para tudo.
Os imprevistos e surpresas fazem parte do nosso dia a dia. Já havia saído às pressas para fotografar nascimento, alterado roteiro de ensaio por causa de chuva, improvisado locação em cima da hora… tudo dentro da nossa “normalidade” como fotógrafos.
Porém, eu vivi essa situação sem precedentes.
E confesso que adorei!!

Luciana Martins

Numa sexta-feira, uma amigona minha me chama pra conversar. Relata que estava com consulta marcada na segunda-feira e que dali em diante o bebê iria nascer a qualquer momento, mas que ela não tinha feito ensaio gestante e não queria ficar sem essa lembrança.
Eu coincidentemente tinha horário para atendê-la na segunda-feira, mas ela estava com receio de esperar. Meu final de semana estava com os horários bem apertados. Depois de muito analisar a agenda, marcamos para domingo à tarde.
Ir para a propriedade da família, distante da cidade e, aproveitar o final de tarde para fazer as fotos em família. Este era o plano.
No inicio do domingo, ela relatou que se sentia com certo desconforto. Bem mais próximo ao horário de sairmos, ela me liga dizendo: Lu, nós vamos fazer as fotos aqui em casa.
Chegando lá… deparo-me com ela em pleno trabalho de parto. Uau!
Gente… coisa linda! Aquela mulher em trabalho de parto ativo, no conforto da casa dela. Em seguida chegou a sua irmã. A filhinha mais velha ao redor, ajudando, participando e super empolgada com a chegada do irmãozinho.
Em momentos como esse, o nosso papel muda bastante. Não havia muito mais o que ser dirigido. Algumas fotos foram organizadas, de acordo com o que ela desejava entre as pausas das dores. Eu preferi deixar de ter o controle e passei a observar mais. Estar mais atenta, mais silenciosa, mais discreta.
Entre uma contração e outra, aproveitávamos para interagir como família. Foi lindo ver o amor da filha mais velha com a mãe nos momentos de dor. A menina com sensibilidade incrível cuidando da mamãe.

Luciana Martins

Quando percebi que o trabalho de parto estava bem evoluído, conversei com a família e me despedi ali. Deixando eles envolvidos e conectados, sem a minha presença.
Mais uma vez, eu sou presenteada com situações lindas e intensas.
Compartilho com vocês a evolução do que vivemos naquele dia.
Acabo sempre escrevendo pouco sobre técnica, pois, o uso da luz natural é questão de percepção. Isso varia para cada fotógrafo, cada um irá ver de sua forma, sentir a luz a sua maneira.

Luciana Martins

Uso essa luz da forma que eu entendo, ou seja, da forma que vejo naquele momento. Usei minha Canon 6D com a 35 mm 1.4 da Sigma e a 85 mm 1.8 da Canon.
Situações assim provam que não temos controle de nada e que tudo realmente pode vir a acontecer. Não podemos nos assustar ou no mínimo demonstrar o susto. É questão de focar a mente no que deve ser feito, prestar atenção aos detalhes, aos toques, aos olhares que surgem. São momentos assim que nos desafiamos, nos experimentamos e nos descobrimos.

 

Texto e fotos: Luciana Martins

Site:
Luciana Martins Fotografia


Você curtiu essa matéria? Quer ser um colaborador também? Escreva para outstandingawards@gmail.com com o título “Blog Outstanding” para saber como e quando enviar seu artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *